…Meu doce Junho…

Sentimos o desfilar

De mês a mês a vida encantar

E nesta viagem, junho acaba de chegar

De janela aberta

Para desabrochar os sentidos

E receber o verão que não tarda a entrar.


Junho transporta o poeta e a poesia

Que dá nome ao dia de Portugal

Pelas ruas encontramos a alegria

Dos arraiais e festas populares

O saber manter a tradição

A sardinhada, o vinho e o pão.


Abraço junho de modo especial

Dá vida aos anos de vida da minha mãe

À tranquilidade de mais um aniversário passar

E ter como presente a família a festejar.

Bem vindo Maio!

Esbelto de aparência

Com o rosto de trabalhador

Mostra-se maio e a sua essência

Dando luz e cor à tradição

De com giestas se cobrir o lar

E de amarelo se perfumar o coração,

Alimentando o olhar com o cantar dos pássaros

E trazer a alegria da melodia

Fazendo de maio uma sinfonia!

…E assim pousa Abril…

No aconchego primaveril

Num voo de liberdade

Esvoaça o pensamento

E assim pousa Abril,

Adocicando a vontade

De ver os dias a crescer

E escutando na quietude do olhar

O silêncio das palavras

Que se prendem nos poemas

Desfolhados ao luar.

Assim chega março…

E com o ar leve e perfumado

Assim chega março

Confiante e despreocupado.

Traz o aroma da primavera

O cheiro a terra lavrada

Rebento de vida que irá ser plantado

Amor que brota no pousar dos dias

Março soma afetos e alegrias,

Soa a poemas, poetas e poesias

Manhãs despertas e tardes vadias

Olhar que se estende iluminado

Em cada rosto de mulher, ser amado

Assim se abrem as portas para a tua chegada

Que o vento suavize a tua caminhada…

Será fevereiro

E sem mais demoras

Entre os dias e as horas

O coração despede-se de janeiro

E já bate à porta fevereiro

Que ainda traz a luz acesa de inverno

Mas bem mais frágil e terno

Que o seu costume habitar.


Pressinto um fevereiro confidente

Em todas as frestas há sussurros de paixão

As madrugadas serão lentas

E o amor será o fruto do coração.


Será fevereiro…