Sabias que…

Sabias que…

O meu coração ainda transpira de saudade

E a minha pele bate acelerada

Quando sinto o teu olhar abrir o meu na madrugada


Sabias que….

O meu corpo acorda devagar

Em silencio para ver o teu chegar

Cobrindo-te de amor a cada despertar


Sabias que…

Guardo-te no sossego das palavras

Escrevo o amor em cartas enamoradas

Tantas vezes desfolho letras perfumadas


Sabias que…

Por vezes não caibo em mim

Desnudo-me assim…

Presente

Pousei o amor devagar

Embrulhei-o juntamente com a saudade

Escrevi o endereço para até ti chegar

Dando ao vento a liberdade

De escolher o melhor lugar

Para contigo se encontrar.


O meu peito bate insatisfeito

Desassossega o coração

Ansioso este meu jeito

De querer receber notícias da tua missão.


Desliza na minha pele o amanhecer

E o pensamento parece já não querer colher

Senão o que trazes para me dizer…

…E o mundo escurece…

E o mundo escurece

Quando o dia não amanhece

O tempo adoece

Quando a liberdade decresce

O amor esmorece

Quando o egoísmo prevalece

A palavra empobrece

Quando o ódio aparece

E a vida falece

Quando a paz desaparece

E o mundo escurece…

…Sem Palavras…

Hoje vou deixar as palavras sossegar

O que tenho para te dizer

Está simplesmente a acontecer…


No dia que anoitece

No céu estrelado que brilha sossegado

Na manhã que amanhece

Na flor que floresce

No sorriso que simplesmente aparece

Ou no olhar acordado

Que por ti estremece

E deixa no corpo calado

O desejo de ser amado

Sem palavras…

Serei eu?

Confesso

Que hoje perdi

O olhar em algum lugar

Fechei o coração à emoção

Deixei o medo tomar conta de mim.

Confesso

Hoje o meu corpo estremece

O dia para mim não tem cor

Nem os beijos sabor.

Confesso

Hoje as minhas palavras não voam

Nem as ondas do mar ecoam

Confesso

Serei eu, assim?

Será fevereiro

E sem mais demoras

Entre os dias e as horas

O coração despede-se de janeiro

E já bate à porta fevereiro

Que ainda traz a luz acesa de inverno

Mas bem mais frágil e terno

Que o seu costume habitar.


Pressinto um fevereiro confidente

Em todas as frestas há sussurros de paixão

As madrugadas serão lentas

E o amor será o fruto do coração.


Será fevereiro…

Eu e Tu

Corri para ouvir a tua voz

Sossegando o coração de tanto palpitar

De braços abertos para te abraçar

Senti-te muito antes de estarmos a sós

Pedindo ao tempo que viesse só para nós

Para esvaziarmos o nosso silencio neste lugar

Onde eu e tu em nós se irá conjugar.

…Rodopiando…

Saboreio o brilho do teu olhar
A rodopiar no meu sorriso
A magia que se estende no meu rosto
Coberto de ingenuidade
Ao entregar-se de improviso
Enquanto o meu corpo vagueia
Entre o retrato de menina a mulher
E tropeça na suavidade das palavras
Ditas pelo cruzar do nosso andar.

Gosto de te ver quando me vês
E de sentir a nudez do teu olhar
A penetrar na minha timidez…

Sempre guardado em mim

Porque a morte abre uma ausência

Um vazio difícil de sustentar

Cicatrizes que ficam

Amarradas ao corpo

Sem remédio para curar

Só o tempo para remediar

A ferida que parece nunca mais sarar.

O teu espaço será sempre guardado em mim

Ficarei com o teu sorriso ancorado no meu coração

E tu seguirás no meu caminho até ao meu fim.



Para ti

Querido irmão