…E o mundo escurece…

E o mundo escurece

Quando o dia não amanhece

O tempo adoece

Quando a liberdade decresce

O amor esmorece

Quando o egoísmo prevalece

A palavra empobrece

Quando o ódio aparece

E a vida falece

Quando a paz desaparece

E o mundo escurece…

…Sem Palavras…

Hoje vou deixar as palavras sossegar

O que tenho para te dizer

Está simplesmente a acontecer…


No dia que anoitece

No céu estrelado que brilha sossegado

Na manhã que amanhece

Na flor que floresce

No sorriso que simplesmente aparece

Ou no olhar acordado

Que por ti estremece

E deixa no corpo calado

O desejo de ser amado

Sem palavras…

Serei eu?

Confesso

Que hoje perdi

O olhar em algum lugar

Fechei o coração à emoção

Deixei o medo tomar conta de mim.

Confesso

Hoje o meu corpo estremece

O dia para mim não tem cor

Nem os beijos sabor.

Confesso

Hoje as minhas palavras não voam

Nem as ondas do mar ecoam

Confesso

Serei eu, assim?

Será fevereiro

E sem mais demoras

Entre os dias e as horas

O coração despede-se de janeiro

E já bate à porta fevereiro

Que ainda traz a luz acesa de inverno

Mas bem mais frágil e terno

Que o seu costume habitar.


Pressinto um fevereiro confidente

Em todas as frestas há sussurros de paixão

As madrugadas serão lentas

E o amor será o fruto do coração.


Será fevereiro…

Eu e Tu

Corri para ouvir a tua voz

Sossegando o coração de tanto palpitar

De braços abertos para te abraçar

Senti-te muito antes de estarmos a sós

Pedindo ao tempo que viesse só para nós

Para esvaziarmos o nosso silencio neste lugar

Onde eu e tu em nós se irá conjugar.

…Rodopiando…

Saboreio o brilho do teu olhar
A rodopiar no meu sorriso
A magia que se estende no meu rosto
Coberto de ingenuidade
Ao entregar-se de improviso
Enquanto o meu corpo vagueia
Entre o retrato de menina a mulher
E tropeça na suavidade das palavras
Ditas pelo cruzar do nosso andar.

Gosto de te ver quando me vês
E de sentir a nudez do teu olhar
A penetrar na minha timidez…

Sempre guardado em mim

Porque a morte abre uma ausência

Um vazio difícil de sustentar

Cicatrizes que ficam

Amarradas ao corpo

Sem remédio para curar

Só o tempo para remediar

A ferida que parece nunca mais sarar.

O teu espaço será sempre guardado em mim

Ficarei com o teu sorriso ancorado no meu coração

E tu seguirás no meu caminho até ao meu fim.



Para ti

Querido irmão

Dar sentido aos Sentidos

Gosto de te ver

De olhar no teu olhar sarado

Despreocupado,

Sentir as tuas mãos livres

O teu abraço apertado

Aconchegado,

Ouvir em silêncio as tuas palavras

O teu discurso letrado

Enfeitiçado,

Mergulhar no odor da tua pele

No veludo acastanhado

Perfumado,

Trocar os meus beijos pelos teus beijos

Esse sabor frutado

Apaixonado,

Gosto de dar sentido aos sentidos…

Um mar de Paixão

Ouvi os queixumes do mar

Entristecido,

Já se tinha lamentado à lua

Desabafava sobre a terra

Que por vezes amua

Flutua como as marés

Desorientada

Com o olhar longe,

Desgostoso

O mar encobre-se no nevoeiro

Saudoso de lhe salgar a pele

Navegar no horizonte do seu corpo

Espalhar na brisa o que guarda no coração

Sente pela terra um mar de paixão.