… Hoje tenho tempo…

notebook-1405305_1280

… Porque hoje tenho tempo
Vou passear o olhar
Naquele livro que arrumei
Sem a leitura findar…

… Porque hoje tenho tempo
Vou sorrir e reviver
A amizade e os momentos bem passados
Naqueles retratos guardados…

… Porque hoje tenho tempo
Vou sentir o respirar das flores
Cuidar dos seus canteiros
Absorver a beleza e os seus odores…

Como hoje tenho tempo
Vou abrir a minha caixa de pandora
Contar-te segredos e histórias
Porque nunca tive tempo até agora…

… Porque hoje tenho tempo
Vou gastar minutos para te telefonar
Escutar os teus desabafos
Sem ter pressa para desligar…

… Porque hoje tenho tempo
Vou abraçar a melodia
Que me faz rodopiar a alma
Me toca e me enche de alegria…

Como hoje tenho tempo
Vou abrir a janela para o sol entrar
Deixar o corpo simplesmente relaxar
Com tempo para este tempo apreciar…

 

Parte Incerta…

laura-kapfer-hmCMUZKLxa4-unsplash (1)

São palavras que escondem palavras
Em livros comidos pela traça
Poemas que mudaram de lugar
Versos esquecidos que tiveram que se ausentar
Todos partiram para parte incerta
Levando apenas a solidão
Nada tendo para os acompanhar.
Já não há eco de leitura
Nem paisagens de bravura
Os contos perderam-se das histórias
O tempo suspendeu as memórias
Ninguém bate à porta de ninguém
O medo abraçou esta textura
O olhar fugiu e deixou-se cegar
Enterrou-se nesta loucura.

Vem, Primavera…

spring-846051_1920

Vem, Primavera
Traz contigo a liberdade
A poesia e a saudade,
Não deixes nunca de sonhar
Ainda que o sol esteja a adiar
A sua estadia não deve tardar.

Vem, Primavera
Quero sentir o teu colo em meu redor
Colher os teus poemas de amor
Voar de céu em céu com os pássaros no olhar
Ouvir o que o tempo tem para contar
Deixar as tuas cores a minha vida pintar.

Vem, Primavera!

Entre a noite e o dia

watch-1893395_1280

A noite roubou-me o dia
O sono perdeu-se no escuro
O meu corpo deambula e fantasia
Mostra-se no seu estado mais puro.

O quarto cheira a sonhos acabados de entrar
O coração fecha-se e finge adormecer
As palavras recolhem e param de conversar
O amor penetra na noite até amanhecer.

Ergue-se a madrugada de rosto lavado
A janela abre-se para acolher o sorriso do dia
As insónias vincaram um retrato ensonado
Mas o corpo desperta e veste-se de ousadia.

… A noite devolveu-me o dia…