Como se fosse uma janela

window-2638833_960_720

Abro a madrugada
Como se fosse uma janela
Que conspira com o olhar
Espanta o escuro e a sombra
Num enredo com o corpo
Faz os sentidos desabrochar.

Na luz ténue do nascer do dia
Cubro a pele com a minha existência
Alicerce que segura o tempo
Sem perder o saber do ser
Rasgo um sorriso de esperança
Alimento a vida que me faz viver.

Abro a janela
Como se abrisse a madrugada
Debruço-me no caminho
Que será a minha caminhada…