Regressa

chair-in-field-785232_960_720

Partiste cedo
Ainda o dia dormia
No escuro e sozinho
Escolheste o caminho
Por onde nem gente havia.
Na memória levas os dias
De um sorriso rasgado
O brilho de um olhar enamorado.
O meu retrato ficou mais pobre
A minha alma ainda hoje encobre
O vazio da sombra que me assolou
A tristeza que no meu coração se instalou.
Balbucio palavras na esperança de as ouvires
Abraço o vento para sentir o teu cheiro
Alongo o olhar para ver se te vejo
Afogo as lágrimas na água do ribeiro
Onde outrora namorávamos com desejo.
Todos os dias anseio o teu regresso
Partiste em busca de sabedoria e sucesso
Distante o horizonte onde adormeces
Tamanho o leito onde me deito
Durmo acordada neste quarto desfeito.
Abro a janela para o meu amor esvoaçar
Levar-me nas suas asas até ti chegar
Somos dois corpos em liberdade
Duas vidas unidas até a eternidade.

Encontro

the-path-1173410_960_720

Não sei que dia é hoje
Perdi-me na contagem das horas
Talvez seja um daqueles que sempre demoras
Enquanto eu espreito pela janela o horizonte
Escuro e vazio, sem nada que se conte
Apenas o tempo, que corre sem pressa
Me faz companhia sem qualquer promessa,
Nem compromisso de um dia voltar
E ainda me encontrar naquela janela a olhar.
Vagueio na sombra deste quarto silencioso
Com o tique taque do coração ansioso
Mais parece um vício que consome
Uma ferida que dói e destrói
Num filme dramático sem herói.
Que busca infindável é esta?
Entre cada partida e chegada
Descobri que não há lugar para mim
Cheguei atrasada, a lotação estava esgotada.
Tanta espera, tanta espera para nada.
Fiquei perdida algumas vezes
Atada ás teias do ser humano
Ecos de um comportamento insano
Transformados em seres por engano.
Ainda haverá tempo para mim?
Corro depressa para reinventar os sentidos
Não espero mais pelos minutos perdidos.
Estou a caminho, saberás de mim
O trilho da felicidade é longo
Hoje sei que não tem fim.

Longa caminhada

champagne-498495_960_720

Que longa é a caminhada
Que íngreme o trilho que tracei
Tanto pó no corpo levei
Sem nunca abandonar a estrada.

Como era denso o horizonte
Trémula a minha imagem
De sol a sol recebia coragem
Saciava o cansaço em cada fonte.

No silêncio uma teia confusa
Subtil emaranhado no pensamento
Percorro esta terra sem movimento
Ausente de vida como se fosse reclusa.

Estou prestes a chegar
Já avisto o arco-íris colorido
Outrora cinzento e escondido
Hoje deu lugar ao sol para brilhar.

Já sinto o teu olhar, o som da tua voz
Acordei presa a muitos laços
Tantos como os teus abraços
Festejo a vida, brindemos a nós.