Em desalinho

dark road

Já não sei o que sinto
Já não sei o que é sentir
Tenho as mãos vazias
O corpo preso à dormência
A dor que se apodera da minha existência.

Vagueio por um caminho já extinto
Perdida e em desalinho
Tenho o medo como companhia
O corpo rendido a uma falsa calma
Que me faz adormecer a alma.

Já nada me importa
Não sei se alguma vez me importei
Tenho o coração a sangrar
O corpo sem força de existir
A falência dos sentidos que me faz desistir.

Mulher bonita

nenufarMulher bonita, porque choras?
Trazes no rosto o luto
Das roupas escuras que vestes,
A tua expressão acusa cansaço
Pelas batalhas difíceis que tivestes.
És guerreira, conquistaste o teu espaço
Atenta e dedicada, sempre mantivestes
Os filhos no aconchego do teu regaço.
Desconheces o que é a infância
Fizeram de ti mulher em vez de criança.
Cresceste depressa e a longa distância
Os valores humanos são a tua melhor herança.
As tuas mãos, hoje envelhecidas
Foram, em tempos, o amparo das nossas feridas.
As rugas que figuram no teu rosto
São a marca da tua essência
E apesar de alguns momentos de desgosto
Nunca sentimos a tua ausência.
A tua raça é forte
És uma pessoa respeitada e admirada,
Quantas vezes o único suporte
De todos por quem és amada.
Mãe!

Lisboa

elevador gloria

Passeio entre as ruas estreitas da cidade
E os becos onde ecoa a conversa das vizinhas
Que debruçadas nas varandas coloridas das casinhas
Traduzem em gestos de lamúria e cumplicidade
O apego às origens, despidas de qualquer vaidade.
Desço a calçada rodeada de vielas
Enquanto sobe a encosta o elevador da Glória
Tem o miradouro como paragem obrigatória
Onde os artistas mostram as suas aguarelas
E os namorados dão as suas escapadelas!
O Tejo reflete o encanto da cidade
A vista perde-se em tamanha graciosidade
O pensamento rende-se à inspiração
Da paixão vivida pelos amantes
Que diante desta paisagem prenderam o seu coração.

Solidão

campoDa janela do meu quarto
Vejo os campos em flor
As árvores a crescer
O entristecer do entardecer
Quando o sol teima em desaparecer.
Da janela do meu quarto
Sinto uma réstia de luz a entrar
Num corpo sonâmbulo a vaguear
Entre o crepúsculo e o falso acordar.
Tudo se perde na escuridão da noite
Da janela do meu quarto
Já não vejo as árvores e os campos em flor
Apenas um vazio que ecoa a dor
Num silêncio e escuro perturbador.
Fecho os olhos e alimento a ilusão
De não sentir a presença da solidão
A sombra que a tua ausência deixa mim
Impaciente para que esta noite chegue ao fim.