Será?

wheat-925760_1280

Lembras-te…
Do sorriso que embriagava o teu riso, tantas vezes aparecia de improviso, a gargalhada que enfeitava o meu rosto… como os nossos braços abraçavam o tempo que passava, sem pressa, cúmplice do nosso tempo, onde repousávamos os corpos e saboreávamos os beijos entre os desejos que ponhamos a amadurecer, sempre que íamos ver o sol-posto ao entardecer.
Lembras-te?
Como era fácil rodopiar com o vento e voar na sua liberdade.
Já não encontro mais esse tempo, terá fugido de mim?
Todos os meus espaços estão agora ocupados, até o riso parece ter perdido o juízo, esconde-se deprimido.
Olho para o tempo e já não o reconheço… é como se caminhasse do avesso.
Será que o vento mudou de direção ou simplesmente se tornou travesso à cumplicidade do nosso coração…
Será?

Anúncios

O dia abre-se…

annie-spratt-583430-unsplash

O dia abre-se
Silencioso,
Enquanto o meu corpo pestaneja
Ansioso,
Pela chegada de luz
Que traduz o acordar.
Rendo-me à leveza
Ao sossego da natureza
Que desperta à hora certa
E entra na janela do meu peito
Pelo quarto ainda meio desfeito
Convencendo este meu jeito
A desabrochar o olhar
Para acompanhar o tempo que escorre
Límpido e sereno
Em cada dia que nasce
E se veste para se renovar.

Sonhos que sonho

simon-matzinger-492970-unsplash

Perdi a noite dentro de ti
Adormeci o meu corpo no teu
Não sei quantos sonhos vivi
Acordei o teu dia ao lado meu.

Guardei o meu amor dentro de ti
Cobri a minha pele na tua pele
Não sei quantos lugares percorri
Para viver a história deste papel.

Agora que descobri o caminho
Sossego o meu coração
Sonho nessa direção…

O meu horizonte

aaron-burden-133359-unsplash

Traço o meu horizonte
Sem margens,
Espaço aberto a novas viagens
Onde o caminho é longo
O existir é curto,
Esgravato o tempo
Estico o olhar para lá chegar
Venho sem pressa,
Do outro lado da terra
Comigo trago a vontade
De encontrar um mar
Uma linha onde atracar
A vida que levo a navegar.

Antes que …

james-cousins-385610-unsplash

Guardo o silêncio da solidão
Antes que o barulho se alastre
E se aloje no coração

Adormeço a tristeza
Antes que o manto desperte
E acorde a minha leveza

Recolho as palavras perdidas
Antes que se sintam órfãs
E se isolem deprimidas

Apago a sombra da minha voz
Antes que fuja a poesia
E os sonhos acabem sós

Limpo o corpo do cansaço
Antes que se estenda pela alma
E se aproprie do meu espaço

Costuro as minhas memórias
Antes que o tempo as perca
E não as conte como histórias

Revelo o retrato dos dias
Antes que as cores desbotem
E a rotina me roube as alegrias

Antes que a brisa me leve
Verto a linguagem que traduz a essência
O refúgio da minha existência.

 

…Sou Mãe…

balloon-1046693_960_720

Dispo a pele da minha pele
Para agasalhar o teu crescer
Na luz do meu ventre
Que te viu nascer
Dou vida à corrente
Que une o meu ao teu ser.

Cubro-te de amor
Com os olhos postos no teu olhar
Coração que bate nas minhas mãos
Que pulsa do peito para te abraçar
Feliz por sentir a tua felicidade
O voo da tua liberdade.

Neste constante aprender
Junto o meu ao teu saber
Ajudo-te a alimentar os sonhos
A rasgar o caminho
Que um dia seguirás sozinho
Serei sempre abrigo para te acolher.
…Sou Mãe

Às vezes…

alatsee-1626139_960_720

Às vezes
Adormeço o olhar
Num sono profundo
Só de olhos fechados
Escuto os segredos
Que trago dentro de mim
E iluminam o meu acordar.

Às vezes
Rasgo o horizonte
Num denso navegar
Nesta sede que não tem fim
De coração aberto
Para os que vivem
Dentro do meu olhar.

Às vezes
Trago na voz
As palavras do meu olhar…

 

O outono dos dias

jakob-owens-172511-unsplash

Espalho folhas
Levemente desenhadas
Douradas,
Para cobrir a pele das árvores
Caladas,
Sem movimento
Entregues ao desalento
Ao outono dos dias
Que vincam o tempo
E marcam a quietude
Dos gestos que ecoam
O silêncio das ruas.
Tento criar a ilusão
De vestir a estação
Espalho folhas pintadas
Outras nuas,
Onde escrevo histórias
E entrego-as ao outono
Como sendo suas…

No nosso tempo…

debby-hudson-543573-unsplash

Interrompo o tempo
Cada vez que fecho os olhos
E abro o corredor da memória
Onde guardo a simetria
Dos dias e dos anos
Que cobrem a nossa história.
O tempo não para de correr
Em sintonia com a vontade
De conjugar a felicidade
No estender das palavras
Que continuamos a escrever
No nosso tempo…

Amanhecer

waters-3262598_960_720

Aquieto-me
Com a última réstia de sol
Que espreita pela frincha
E se derrama no meu rosto
Contemplando o vagar
Do corpo que descansa
Sobre o dia quase findo
Que pousará no horizonte
Onde a luz recolhe
E levará o entardecer
A cair no anoitecer.
Aquieto-me
No olhar que se despe
Na inocência da madrugada
E reveste de sombra a noite
Até ao nascer das horas
Que acordam o amanhecer.