Fragmentos

Interrompo os pensamentos

Sem saber formatar os sentimentos

Descrevo-me em palavras

Umas vezes certas

Outras tantas desarticuladas

Sou como o sorriso que amanhece

Tímido,

E no ventre do sol espairece

Guardo no dia silêncios

De segredos e conversas caladas

E enfeito-me de gestos

Que se desprendem do coração

Sem serem ensaiados

São olhares acesos

Fragmentos

De mim…

Bem vindo Maio!

Esbelto de aparência

Com o rosto de trabalhador

Mostra-se maio e a sua essência

Dando luz e cor à tradição

De com giestas se cobrir o lar

E de amarelo se perfumar o coração,

Alimentando o olhar com o cantar dos pássaros

E trazer a alegria da melodia

Fazendo de maio uma sinfonia!

…Toca a viver…

Enquanto as horas vagueiam no meu corpo

Já o tempo rasgou os dias

E percorreu o sentido da minha pele

Sobrevivendo a esta fugaz passagem

Até entrar na memória do coração,

Soltando-se uma explosão de silêncio

E ouvindo-se o tempo despir

Uma palavra que ficou por dizer

Um sorriso apagado

A promessa prometida e não cumprida

O som de uma noite mal dormida

A vida esquecida de ser vivida,

E enquanto as horas passam

Olhamos para a vida já envelhecida…

…E assim pousa Abril…

No aconchego primaveril

Num voo de liberdade

Esvoaça o pensamento

E assim pousa Abril,

Adocicando a vontade

De ver os dias a crescer

E escutando na quietude do olhar

O silêncio das palavras

Que se prendem nos poemas

Desfolhados ao luar.

Carta à Primavera

Querida Primavera,

Queria que soubesses

Que o inverno já se recolheu

E os dias trocaram de cor

Até as horas se despiram do frio

E o ar emana uma nova fragrância

Sentimos a beleza da tua elegância

E neste despertar de sentidos

Rendidos estamos à tua espera

Minha doce e alegre Primavera.

Sente-te abraçada

Nesta tua chegada

Viagem do tempo

Nesta viagem do tempo

Fugaz e a alta velocidade

O corpo embarca a todo o vapor

Sem colher dos dias o sabor

De paragem em paragem

Sem deixar a pele respirar

Tamanho é o ritmo do caminho

Que cada olhar segue mudo e sozinho

Levando na bagagem

A saudade de encurtar a distância

E deixar para trás os passos apressados

Os sorrisos fechados,

E de devolver aos dias a importância

De viver estação a estação

Com um bilhete de felicidade…

…E o mundo escurece…

E o mundo escurece

Quando o dia não amanhece

O tempo adoece

Quando a liberdade decresce

O amor esmorece

Quando o egoísmo prevalece

A palavra empobrece

Quando o ódio aparece

E a vida falece

Quando a paz desaparece

E o mundo escurece…

Assim chega março…

E com o ar leve e perfumado

Assim chega março

Confiante e despreocupado.

Traz o aroma da primavera

O cheiro a terra lavrada

Rebento de vida que irá ser plantado

Amor que brota no pousar dos dias

Março soma afetos e alegrias,

Soa a poemas, poetas e poesias

Manhãs despertas e tardes vadias

Olhar que se estende iluminado

Em cada rosto de mulher, ser amado

Assim se abrem as portas para a tua chegada

Que o vento suavize a tua caminhada…

…Sem Palavras…

Hoje vou deixar as palavras sossegar

O que tenho para te dizer

Está simplesmente a acontecer…


No dia que anoitece

No céu estrelado que brilha sossegado

Na manhã que amanhece

Na flor que floresce

No sorriso que simplesmente aparece

Ou no olhar acordado

Que por ti estremece

E deixa no corpo calado

O desejo de ser amado

Sem palavras…