No nosso tempo…

debby-hudson-543573-unsplash

Interrompo o tempo
Cada vez que fecho os olhos
E abro o corredor da memória
Onde guardo a simetria
Dos dias e dos anos
Que cobrem a nossa história.
O tempo não para de correr
Em sintonia com a vontade
De conjugar a felicidade
No estender das palavras
Que continuamos a escrever
No nosso tempo…

Anúncios

Amanhecer

waters-3262598_960_720

Aquieto-me
Com a última réstia de sol
Que espreita pela frincha
E se derrama no meu rosto
Contemplando o vagar
Do corpo que descansa
Sobre o dia quase findo
Que pousará no horizonte
Onde a luz recolhe
E levará o entardecer
A cair no anoitecer.
Aquieto-me
No olhar que se despe
Na inocência da madrugada
E reveste de sombra a noite
Até ao nascer das horas
Que acordam o amanhecer.

 

Não sei o que dizer…

leaf-2471187_960_720

Não sei o que dizer
Tão pouco o que sentir
Se não a vontade de despir
O peso entranhado
Nos ossos
Neste corpo pesado
Onde já nada cabe
Se não a dor da saudade.
Difícil carregar o lugar
Que alberga o despertar
E sustenta o repousar
Das fragilidades da realidade.
O coração
De tão dorido
Sente-se triste e empobrecido
Ainda assim,
Ajeita-se no seu modo de ser
Vagueia,
Mas não se dá por vencido
Recorda a tua força de viver
Ordena a desordem
Nas emoções de te ter perdido
E num fechar de olhos
Abro um sorriso
A todos os teus sorrisos…

 

Envelhecer

mehdi-thomas-boutdarine-425503-unsplash

As folhas vão caindo
Quem sabe desistindo
Daquilo que as prende à natureza
Também os anos vão tombando
E a beleza derrubando
Porém,
A vida ensina-nos
A acrescentar amor
À idade que vamos somando
E força para continuar a crescer
Na arte de envelhecer.

… Enquanto as folhas vão caindo…

Que posso eu ser?

jordan-sanchez-44890-unsplash

Estranho
Esta estranheza
Que carrego sobre os ombros
Doridos,
Deixam tombar os desejos
Jã não sustentam a brisa
Que abre a beleza do dia.
De nada me servem as palavras
Que outrora me moviam
Comigo permaneciam
E sempre me comoviam.
Quisera eu ser poeta
Construir um mundo
Onde tudo cabia.
Certa
Desta certeza
Dediquei-me à poesia,
Agora,
Presente neste mundo
Ausente de palavras
Que posso eu ser?

…as minhas memórias…

jorgen-haland-101813-unsplash

Não guardes as minhas memórias
Enterra-as comigo,
Não procures entender o molde
Que um dia as uniram a mim.
De tanto se prenderem
O coração perdeu-se,
Desorientado
Sentiu-se aprisionado
Num corpo quase a desistir
Como se já fosse partir.
Retalhos cruéis
Cravados na pele
Que tornam os poros infiéis
Remetidos a um silêncio
Fechado e magoado.
Não guardes as minhas memórias
Deixa que te afague a minha ausência
Com as palavras da minha essência
E voa alto
Até encontrares o teu novo céu.

A paixão do mar

waves-2909004_960_720

O mar vestiu-se a preceito
Acalmou o seu jeito
Aquele ondear encrespado
Que mostra quando está insatisfeito,
Embebe-se na espuma
Vaidoso,
Encobre-se na sua bruma
Ansioso
Que a terra se desnude
Mergulhe no seu corpo
Em toda a sua amplitude
E se deixe repousar
No amor do seu mar.

A terra ouve o lamento
Transportado pelo vento
Sabe que é hora de partir
De sossegar o seu sentir,
Apressa-se,
Segue o voo das gaivotas
Leve,
Asas que pintam o azul do céu
Libertam o majestoso véu
E a pele salga-se de mar
Sente-se pronta para abraçar
A infinitude do olhar
Que une a terra e o mar.

 

Hoje é o meu dia!

aaron-burden-255427-unsplash

Sou como uma janela aberta
Que acolhe os olhares
Numa manhã que desperta
Se abre e se mostra
Sem pressa de chegar
À quietude dos lugares
Por onde quer passar.

Sou um pouco desse sorriso
Dessa luz que atravessa o friso
Ainda que um pouco fechada
Já o dia ilumina a casa
E os sonhos rompem pela fachada
Com vontade de esvoaçar
E da janela se libertar.

Sou as palavras que observo
Entre outras que conservo
Assentam no parapeito
Na timidez deste meu jeito
Que hoje abre a janela
Vos convida a entrar
Para o meu dia festejar.

Parabéns para mim !… 29 Julho 2018

 

Entre pontos…

frank-mckenna-135725-unsplash

Os sentidos acusam-me
Denunciam o sentir
Do meu existir.
Mostro todas as linhas
Que me cosem,
O tecido que a pele tece
Letra a letra
Linha a linha
O fio que me prende à vida.
Dou sentido aos sentidos
Para que não fiquem rendidos
Aos pontos desprendidos!

Somos o caminho!

bridge-589171_960_720

Neste deserto povoado
Vazio,
Ecoa um silêncio agitado
Encoberto
Por um respirar sobressaltado
E um olhar desbotado
Que se estende na multidão
Carregado de solidão.
Ajustam-se os corpos
Cansados,
Sugados pelas horas
E pelos dias alimentados
Onde a memória se arrasta
Para não perder o caminho
Sendo a vontade de envelhecer
Destino constante de viver.
Somos a pele que nos abraça
Num ritmo que por vezes fracassa
Sem quebrar o rumo
Somos os sonhos que sonhamos
Qualquer a idade que tenhamos!