Albergue de emoções

Terra despida

Em raízes envolvida

Sementes que brotam

Desejo fértil de vida

Refúgio,

Terra prometida

Dias que amadurecem

Sombras que florescem

Traços que marcam o rosto

Luz que permanece além do sol-posto,

Terra vivida

Albergue de emoções

Instantes constantes

Renovar de estações…

Dar sentido aos Sentidos

Gosto de te ver

De olhar no teu olhar sarado

Despreocupado,

Sentir as tuas mãos livres

O teu abraço apertado

Aconchegado,

Ouvir em silêncio as tuas palavras

O teu discurso letrado

Enfeitiçado,

Mergulhar no odor da tua pele

No veludo acastanhado

Perfumado,

Trocar os meus beijos pelos teus beijos

Esse sabor frutado

Apaixonado,

Gosto de dar sentido aos sentidos…

Silenciosamente

E de repente o silêncio

O céu despido de asas

O sossego da escuridão

As estrelas que parecem brasas

Ardentes na imensidão.



E neste silêncio

Brindo ao sabor do anoitecer

Com o rosto vestido de luar

Adormeço entre os sonhos

E a luz que me faz despertar.


Silenciosamente

O dia acaba de chegar…

…Caminho…

Nem sempre me acompanho

Por vezes o caminho excede o tamanho

Sinto que o tempo me leva e não me traz

Alimento os sonhos sem saber se sou capaz.


Sentido é o olhar que abre a minha alvorada

Silêncio é companheiro na minha jornada

Não temo não ter a certeza de nada

Mas quero ser eu e não viver disfarçada.


E se hoje me sinto desencontrada

Não tarda virá a madrugada

Amanhã estarei de cara lavada…

Amanhecer com poesia

Dou a mão ao amanhecer

Abro a porta para o sol entrar

Arrumo o corpo para bem parecer

Sigo caminho com a felicidade no olhar.


Levo comigo os poemas acabados de acordar

Ajeito as palavras para não as perder

O dia cresce sereno com vontade de se dar

E a poesia solta-se para quem a quiser ler.

…Ver com o olhar…

É com o olhar que se aprende a ler

A doçura do sorriso

A candura das palavras

É com o olhar que se aprende a ver

A luz que norteia o caminho

O silêncio que conduz o tempo

É com a vista posta no teu olhar

Que derramo os segredos

Que com o tempo fui colhendo.

Amor para a vida

Pudesse eu ser asa

Para te deixar voar

Pudesse eu ser casa

Para acolher o teu pousar

Pudesse eu ser uma estrela

Para o teu caminho iluminar

Soubesse eu ser a leveza

Para a dureza da vida apagar

Soubesse eu ser o sol

Para fazer o teu dia brilhar

Pudesse eu ser a pele

Para a tua pele agasalhar

Soubesse eu colher a felicidade

Para como presente te dar

Para que saibas

O meu amor por ti jamais vai acabar

É semente para uma vida toda durar.

A vida a florir

O dia amanheceu a florir

Abri as cortinas para o sol entrar

O silêncio da noite foi saindo devagar

Senti os poros da minha pele a brotar


O corpo acorda e reage ao dia

Como se fosse uma flor de um jardim

Talvez um malmequer, um lírio ou jasmim

Absorvo o perfume e guardo-o em mim


Sigo a raiz que faz os dias florescer

Mas nem sempre entendo o seu crescer

Por vezes o que é certo faz-me perder

E o acaso dá-me tempo para escolher


A cada passo

Há um dia a florir, o corpo a reagir

E a vida a fluir…

…Entre aromas…

Recolhi os aromas da minha infância

Semeados na cadência do tempo

Com eles soltaram-se os sonhos

Os segredos soletrados às estrelas

A inocência da idade

Que voava nas asas do vento,

Cada dia tinha um sabor

Um novo alento,

E as horas pousavam devagar

Livres,

Dentro do meu olhar

Guardo esta cumplicidade

Com saudade…